NOTÍCIAS MAIS VISTAS NO ANO

sábado, 18 de abril de 2020

A GASTRONOMIA NO INTERIOR DO ESTADO DO PARÁ

No estado que tem importante título ligado à gastronomia, ainda há muita gente que nem sempre tem o pão de cada dia. Em 2015, Belém no Pará foi considerada a Cidade Criativa da Gastronomia, pela Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (Unesco). Dos restaurantes de alto padrão às barracas de rua, a capital do Pará tem a culinária como um diferencial.

Já o mesmo não acontece pelas bandas do norte nordeste do estado do Pará. Veja a abundância de peixes que os pescadores trazem do mar em Marapanim e Marudá. Pessoas nativas da região que vivem da pesca e do que plantam e colhem. Uma vida bem simples mais cheia de vida, podemos dizer que é o melhor estilo de vida que uma pessoa pode desejar.

Por outro lado, em 2020, ainda há contrastes, sobretudo entre a diversidade gastronômica se contrapondo ao grande número de pessoas que vive na pobreza. É na madrugada que se inicia o abastecimento de produtos no Ver-o-Peso. A quantidade de alimentos que passa por ali impressiona. Segundo o Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos (Dieese-Pa), em média, por mês, são comercializadas 30 toneladas de hortaliças, legumes e granjeiros. Apenas de açaí, são 30 toneladas por ano, e de peixes, 300 mil toneladas pelo mesmo período.


No complexo Ver-o-Peso em Belém do Pará, as barracas de comida são uma atração à parte. Às 9h, os balcões já estão lotados. Para o ambulante Daniel dos Santos, 36 anos, o peixe-frito com açaí é o melhor cardápio de Belém. “A gente come bem, e por R$ 15. Isso é fartura, às 10h da manhã”, brinca. Não recusar alimentos é uma regra na família do operador de máquinas Manuel Lucas, 65. “Não podemos estragar nada. Ensino minhas filhas a comer tudo que temos por aqui. E o açaí vai bem com tudo”.


Nas barracas das calçadas do centro comercial de Belém têm do prato feito às comidas típicas. E o cheiro é tentador. Carlos Alberto, 48, há 17 anos atrai seus clientes, na avenida 15 de Novembro, com o aroma da terra. “O tucupi e a maniçoba têm cheiro forte e atrativo. Não há quem resista”.

@foto Marudá - Caranguejo - Típico crustáceo consumido nas mesas do paraenses e dos marapanienses e marudaenses.


@foto facebook marapanim - Peixe pescado por moradores local em Marapanim

@foto facebook - Peie assado na brasa pelos moradores locais em Marapanim




Texto adaptado (Roberta Paraense/Diário do Pará)
Fotos Facebook 


Nenhum comentário:

Postar um comentário

Favor comentar sem palavras ofensivas.

Publicidade Google

Publicidade Portal das Malas

Portal das Malas

Publicidade Shoptime

Publicidade Submarino

Publicidade recargapay

Publicidade Timecenter

Publicidade Euro

Publicidade Trocafone

Publicidade Motorola

Publicidade Plantei

Publicidade Veloe

Publicidade Shoptime

Lançamentos de Cama, Mesa e Banho com até 50% de Cashback, receba até R$70 reais de volta
Lançamentos de Cama, Mesa e Banho com até 50% de Cashback, receba até R$70 reais de volta

Publicidade JetRadar

Jetradar

Publicidade PagSeguro

PagSeguro BR

Publicidade Sumup