Publicidade Portal das Malas

Portal das Malas

NOTÍCIAS MAIS VISTAS NO ANO

quarta-feira, 1 de abril de 2020

Cachoeira mais alta do Equador desaparece repentinamente


© Fornecido por Go Outside

Até pouco tempo atrás, o Parque Nacional Cayambe Coca, na Amazônia Equatoriana, abrigava a Cachoeira de San Rafael, uma cachoeira de 150 metros de altura, a maior do Equador. Mas, em 2 de fevereiro de 2020, o Ministério do Meio Ambiente do Equador (MAE) anunciou que a cachoeira havia desaparecido, que a água havia sido reduzida a um fluxo levemente gotejante.
“Infelizmente, a Cascada San Rafael agora faz parte da história e não retornará”, disse um porta-voz do MAE, de acordo com CuencaHighLife , uma fonte local de notícias.
A cachoeira de San Rafael tomada em 2 de fevereiro de 2020 – Foto: Ministério do Meio Ambiente Equador (MAE)
© Fornecido por Go Outside A cachoeira de San Rafael tomada em 2 de fevereiro de 2020 – Foto: Ministério do Meio Ambiente Equador (MAE)
A mudança abrupta foi documentada em fotografias do Ministério do Meio Ambiente do Equador e nas imagens da NASA tiradas pelo satélite Landsat 8.
O MAE diz que a cachoeira desabou e os detritos desviaram o curso dos rios que a alimentavam, impedindo que grande parte da água escorresse.  Segundo Mongabay, os deslizamentos de terra ajudaram a criar um poço apenas alguns metros antes da cachoeira, fazendo a água fluir em três seções separadas por uma encosta menos íngreme. A causa exata dos deslizamentos de terra, no entanto, continua sendo um ponto de controvérsia.
A cachoeira estava localizada na confluência dos rios Quijos e Salado, entre a cordilheira andina e a região amazônica. A Cachoeira de San Rafael fica em uma área sismicamente ativa, que abriga os vulcões Cayambe e Reventador. De modo que um deslizamento de terra que ocorre naturalmente não é muito surpreendente, dada a geologia da área.
Entretanto, alguns sugeriram que os deslizamentos de terra foram realmente o resultado da recente construção da barragem de Coca Codo Sinclair, uma das maiores usinas hidrelétricas do Equador. A teoria diz que a barragem exige que a água do rio seja filtrada para não danificar o equipamento. Além disso, a falta de sedimentos faz com que o fluxo de água se torne mais erosivo para o leito e as margens do rio abaixo da barragem, tornando-o mais propenso ao colapso.
“Uma cachoeira que existe há milhares de anos não desmorona, coincidentemente, alguns anos após a abertura de um projeto hidrelétrico. São processos que estão em trabalhos científicos e há evidências suficientes de que uma barragem pode causar efeitos desse tipo em um rio ”, disse Emilio Cobo, coordenador do Programa de Água da América do Sul da União Internacional para a Conservação da Natureza (IUCN) à Mongabay.
Por:
Go Outside

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Favor comentar sem palavras ofensivas.

Publicidade Google

Publicidade Portal das Malas

Portal das Malas

Publicidade Estrela 10

Publicidade Shoptime

Publicidade Submarino

Publicidade recargapay

Publicidade Timecenter

Publicidade Americanas.com

Publicidade Euro

Publicidade Trocafone

Publicidade Motorola

Publicidade Plantei

Publicidade Veloe

Publicidade Shoptime

Lançamentos de Cama, Mesa e Banho com até 50% de Cashback, receba até R$70 reais de volta
Lançamentos de Cama, Mesa e Banho com até 50% de Cashback, receba até R$70 reais de volta

Publicidade JetRadar

Jetradar

Publicidade PagSeguro

PagSeguro BR

Publicidade Almundo Brasil

Publicidade Sumup