Publicidade Google

terça-feira, 12 de maio de 2020

Decisão do TCE/SC pode reabrir impeachment de Moisés por crime de responsabilidade

Olá gente daqui. Gostaríamos que mesmo nas calamidades as pessoas se compadecessem do próximo. Ser cristão é isso. O fato é que todos devem dar as mãos em prol da humanidade. Senão o que será de nós?


Decisão do TCE/SC pode reabrir impeachment de Moisés por crime de responsabilidade


Governador Carlos Moisés – Foto: Julio Cavalheiro/Secom/Divulgação/ND


Suspensão do pagamento da verba de equivalência para os procuradores deve atingir diretamente o governador e a vice, Daniela Reinehr


Uma decisão do TCE/SC (Tribunal de Contas do Estado de Santa Catarina) suspendeu, na noite desta segunda-feira (11), o pagamento da verba de equivalência para os procuradores do Estado. A sentença da suspensão, de forma cautelar, foi unânime e deve atingir diretamente o governador Carlos Moisés (PSL) e a vice, Daniela Reinehr (sem partido).

O processo em questão está ligado à possível reabertura do processo de impeachment de Moisés por crime de responsabilidade.

O Corpo Técnico do Tribunal de Contas do Estado já havia se manifestado pela ilegalidade do pagamento. Desde outubro do ano passado, o governo disponibiliza mais de R$ 800 mil por mês para esse reajuste.

O governo realizou, além disso, pagamento retroativo, que representa mais de R$ 8 milhões, mas que acabou desautorizado por meio de liminar judicial.


Os conselheiros Herneus De Nadal, Luiz Roberto Herbst, Cesar Filomeno Fontes, Luiz Eduardo Cherem e José Nei Ascari acompanharam o voto do relator do processo, conselheiro Wilson Wan-Dall.

“Mesmo com a prerrogativa de uma decisão singular, optei por submeter a concessão da medida cautelar ao colegiado, como modo de ampliar a discussão, por entender da relevância da matéria”, destaca o relator.

Pagamento total de R$ 5,3 milhões em seis meses
Conforme a diretora de Atos de Pessoal do TCE/SC, Ana Paula Machado, o pagamento vinha sendo realizado desde outubro de 2019.

Além disso, até abril deste ano, a equivalência entre o salário dos procuradores do Estado em comparação com os procuradores da Alesc (Assembleia Legislativa de Santa Catarina), trouxe um gasto de cerca de R$ 5,3 milhões aos cofres do Estado.

Segundo o relatório apresentado pela área técnica, a equivalência gira em torno de R$ 770 mil, por mês. Segundo o TCE, a medida cautelar apenas orienta a suspensão do pagamento, mas não a devolução do dinheiro público repassado aos procuradores do Estado.

Após o registro no Diário Oficial do Tribunal de Contas, a PGE (Procuradoria Geral do Estado) terá 30 dias para apresentar os autos. Em seguida, deve ocorrer uma audiência da ex-Procuradora-Geral do Estado, Célia Iraci da Cunha, do atual Procurador-Geral do Estado, Alisson de Bom de Souza, e do Secretário da Administração de Santa Catarina, Jorge Eduardo Tasca.

O motivo é que o Procurador-Geral do Estado foi o responsável pela autorização do pagamento. No entanto, Célia Iraci da Cunha a procuradora-Geral à época da assinatura do documento.

Conforme o TCE/SC, não há fundamento para o pagamento, levando em consideração a atual Constituição Estadual. O pagamento era baseado no Artigo 196, que afirma que o procurador do Estado pode se equiparar quando a carreira demonstra atividades assimiladas.

Porém o dispositivo remete ao Artigo 26 – que permitia a isonomia -, mas que foi alterado em 2004. Devido a isso, não existe embasamento normativo para a equiparação.

Por:



Nenhum comentário:

Postar um comentário

Favor comentar sem palavras ofensivas.

Publicidade Dietas

Publicidade Aliexpress

Publicidade Americanas

Publicidade Portal das Malas

Portal das Malas

Publicidade Shoptime

Publicidade Submarino

Publicidade recargapay

Publicidade Timecenter

Publicidade Euro

Publicidade Trocafone

Publicidade Motorola

Publicidade Plantei

Publicidade Veloe

Publicidade JetRadar

Jetradar

Publicidade Sumup

Publicidade Avast