Publicidade Aliexpress

Publicidade Dietas

Publicidade Google

terça-feira, 6 de junho de 2017

TSE retoma julgamento de chapa e define futuro de Dilma e Temer nesta semana

Valter Campanato/Agência Brasil - 28.5.2015
O Tribunal Superior Eleitoral (TSE) vai retomar, nesta terça-feira (6), o julgamento contra a chapa  que elegeu Dilma Rousseff (PT) presidente e Michel Temer (PMDB) seu vice, nas eleições de 2014.

O processo que apura suposto abuso político e eleitoral na campanha da chapa de Dilma e Temer tramita no TSE  há dois anos e três meses e teve o julgamento suspenso em março deste ano. O ministro Gilmar Mendes definiu quatro sessões para a análise do processo, que serão realizadas nos dias seguintes.

Tal processo pode tirar os direitos políticos da ex-presidente e afastar o atual mandatário do cargo.

Para tal votação, a segurança no entorno e no interior do prédio do TSE foi reforçada, a fim de evitar possíveis tumultos. Além disso, também será feita, nesta terça, uma checagem interna dos participantes, já que a sessão é pública e aberta. O lugar comporta até 240 pessoas.

O julgamento havia sido iniciado em abril, mas foi interrompido após o pedido de inclusão de mais testemunhas, como os marqueteiros da campanha, João Santana e Mônica Moura. 

Novo 'elenco'

No entanto, há a possibilidade do processo ser paralisado novamente por conta de um pedido de vistas no caso, já que dois novos ministros assumiram seus cargos no meio do julgamento. 

Indicado por Temer, o ministro Admar Gonzaga assumiu a vaga  de Henrique Neves  no fim de abril. 
Além disso, em maio, encerrou-se o mandato da ministra Luciana Lóssio, que se despediu do Tribunal para dar lugar a Tarcisio Vieira de Carvalho Neto, que tomou posse nesta semana.

Luciana foi figura de destaque no início do processo  contra a chapa vencedora da eleição presidencial de 2014. Em 2015, quando o caso foi desarquivado pelo TSE, Luciana interrompeu a tramitação do processo com um pedido de vistas quando já havia sido formada maioria pela continuidade da ação.

Após pouco menos de um mês, no entanto, a agora ex-ministra liberou seu voto e o processo teve sequência.

O processo

O processo foi iniciado logo após as eleições de 2014, em pedido da chapa derrotada, que era do PSDB, por conta de irregularidades como o recebimento de dinheiro vindo de propina da Petrobras, que já era alvo de investigação na Operação Lava Jato. 

Leia também: Gleisi Hoffmann, que responde a processo na Lava Jato, é eleita presidente do PT
Como Dilma já foi afastada da Presidência, contra ela, a condenação pode ser a perda dos direitos políticos. Já Temer pode ser retirado do cargo por conta de uma eventual condenação, mas não deve perder os direitos políticos nesse julgamento. No entanto, após a sentença, os dois ainda podem recorrer no próprio TSE e para o Supremo Tribunal Federal. 


Fonte: Último Segundo - iG 
* Com informações da Agência Ansa.
Link deste artigo: http://ultimosegundo.ig.com.br/politica/2017-06-05/dilma-temer-tse.html

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Favor comentar sem palavras ofensivas.

Publicidade Americanas

Publicidade Portal das Malas

Portal das Malas

Publicidade Shoptime

Publicidade Submarino

Publicidade recargapay

Publicidade Timecenter

Publicidade Euro

Publicidade Trocafone

Publicidade Motorola

Publicidade Plantei

Publicidade Veloe

Publicidade JetRadar

Jetradar

Publicidade Sumup

Publicidade Avast