Publicidade Google

quinta-feira, 15 de junho de 2017

Empresário planeja enviar 4 mil vacas de avião ao Catar

Ideia inicial era transportar os animais em navios, mas a urgência da crise acabou alterando os planos
© Airbus - photo by master films/ H. Goussé Ideia inicial era transportar os animais em navios, mas a urgência da crise acabou alterando os planos
MUNDO - Um empresário do Catar está planejando transportar ao país, dentro de aviões, um total de quatro mil vacas holandesas. A iniciativa é parte dos esforços para manter o suprimento de leite no emirado no Golfo durante o bloqueio diplomático estabelecido pelas potências vizinhas.

Anunciado como o maior transporte aéreo de bovinos da história, o plano foi descrito por Moutaz al-Khayyat, presidente da Power International Holding, à agência de notícias Bloomberg.

Khayyat afirmou que seriam necessários cerca de 60 voos para levar os animais, que pesam em torno de 590 quilogramas cada. "Esse é o momento de trabalhar em prol do Catar", disse o executivo ao veículo, contando ainda que comprou as vacas leiteiras nos Estados Unidos e na Austrália.

A empresa de Khayyat, responsável pela construção do maior centro comercial do Catar, está expandindo seus negócios agrícolas numa fazenda a cerca de 50 quilômetros da capital Doha, com área equivalente a 70 campos de futebol.

O empresário deu início à produção de leite de ovelha no local, e a importação das vacas holandesas, para ampliar seus negócios, já estava nos planos, mas os animais viriam de navio. Com o isolamento do Catar na semana passada, o projeto precisou ser acelerado, contou Khayyat.

A previsão, segundo o executivo, é começar a produzir leite fresco ainda neste mês. Ele espera que a demanda do país por laticínio seja suprida em até um terço até meados de julho.

Isolamento diplomático

Arábia Saudita, Emirados Árabes Unidos, Bahrein e Egito decidiram, em 5 de junho, suspender as relações com o governo em Doha, alegando que o emirado apoia o terrorismo. Apesar de ser um dos países mais ricos do mundo, o Catar importa alimentos básicos, como carne, leite e açúcar.

Até então, grande parte dos laticínios consumidos no país vinha das nações vizinhas, incluindo a Arábia Saudita. Após o bloqueio diplomático, Riad fechou a única fronteira terrestre da península do Catar, por onde passavam cerca de 40% de todos os alimentos importados pelo emirado, gerando um temor pela escassez de comida.

Em apoio a Doha, o governo da Turquia tem tentado repor os produtos que desapareceram das prateleiras dos supermercados do país, como o iogurte. Marrocos e Irã também se comprometeram a fornecer alimentos ao emirado. No fim de semana passado, autoridades em Teerã comunicaram o envio de cinco aviões com toneladas de frutas e legumes.

A justificativa oficial das potências do Golfo é de que o país apoia o terrorismo do "Estado Islâmico", da Irmandade Muçulmana e do grupo radical palestino Hamas, assim como de grupos extremistas na região de Qatif, no leste da Arábia Saudita, e no Bahrein. O governo em Doha nega as acusações.

Por DW.com

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Favor comentar sem palavras ofensivas.

Publicidade Dietas

Publicidade Aliexpress

Publicidade Americanas

Publicidade Portal das Malas

Portal das Malas

Publicidade Shoptime

Publicidade Submarino

Publicidade recargapay

Publicidade Timecenter

Publicidade Euro

Publicidade Trocafone

Publicidade Motorola

Publicidade Plantei

Publicidade Veloe

Publicidade JetRadar

Jetradar

Publicidade Sumup

Publicidade Avast