NOTÍCIAS MAIS VISTAS NO ANO

sábado, 7 de março de 2020

Ronaldinho Gaúcho preso no Paraguai: noticia repercute na imprensa mundial

Ronaldinho chega ao Palácio de Justiça de Assunção, no Paraguai
© Getty Image Ronaldinho chega ao Palácio de Justiça de Assunção, no Paraguai

A prisão de Ronaldinho Gaúcho na noite da última sexta-feira (7), como esperado, repercutiu pelo mundo.

Logo após o ex-jogador de Grêmio, Paris Saint-Germain, Barcelona e Milan ser detido no Paraguai ao lado de seu irmão e empresário, Roberto de Assis, pelo uso de carteiras de identidade e passaportes aduterados, veículos de imprensa de diversos países destacaram o assunto.

Na Argentina
O jornal Olé, da Argentina, classificou o episódio como um "capítulo inesperado".

Ronaldinho, de 39 anos e que também defendeu Milan, Flamengo, Atlético-MG, Querétaro-MEX e Fluminense, esperava retornar ao Brasil depois de colaborar com as investigações no país vizinho.

Mas a Justiça paraguaia não aceitou a tese do Ministério Público, que considerava os dois brasileiros livres de processo. Ele passou a noite em uma cela do Grupo Especializado da Polícia Nacional.

"A novela de Ronaldinho no Paraguai ganhou um novo e inesperado capítulo. O que seria apenas uma participação em um evento de caridade e a apresentação de seu livro terminou em um escândalo", acrescentou a publicação argentina.

Na Espanha
Na Espanha, onde o brasileiro fez história com a camisa azul-grená, a notícia também foi destaque.

"Ronaldinho em problemas", escreveu o Sport; "Ronaldinho detido de novo", põs em sua capa o Marca.

Na Inglaterra
Na Inglaterra, ao menos quatro veículos destacaram a detenção de Ronaldinho e Assis.

O The Guardian e o The Independent apenas relataram o caso, além de destacar a notícia em suas páginas principais.

Já o Mirror chamou a detenção do ex-atleta e de seu irmão e empresário de 'dramática'.

No The Sun, a chamada dizia "Estrela presa". 

Entenda o caso
Ronaldinho e Assis desembarcaram em Assunção na quarta-feira para participarem de um evento. Os dois foram pegos com documentos aduterados no país e passaram a ser investigados.

Os passaportes haviam sido expedidos em nome de outras duas pessoas e, postoriormente, adulterados.

Além disso, a promotoria acusou outras três pessoas: o empresário Wilmondes Sousa Lira, apontado pela defesa do ex-atleta como responsável pelos documentos falsos, e as paraguaias María Isabel Galloso e Esperanza Apolonia Caballero, que foram as paraguaias que constavam nos documentos expedidos.

Na quinta-feira, o fiscal Federico Delfino afirmou que Ronaldinho Gaúcho e Assis não seriam presos por entrarem com documentos falsos no Paraguai, tendo apenas que pagarem uma "multa social".

Mas o juiz responsável pelo caso tomou uma decisão totalmente contrária nesta sexta-feira.

ESPN


Publicidade Google

Publicidade Portal das Malas

Portal das Malas

Publicidade Shoptime

Publicidade Submarino

Publicidade recargapay

Publicidade Timecenter

Publicidade Euro

Publicidade Trocafone

Publicidade Motorola

Publicidade Plantei

Publicidade Veloe

Publicidade Shoptime

Lançamentos de Cama, Mesa e Banho com até 50% de Cashback, receba até R$70 reais de volta
Lançamentos de Cama, Mesa e Banho com até 50% de Cashback, receba até R$70 reais de volta

Publicidade JetRadar

Jetradar

Publicidade PagSeguro

PagSeguro BR

Publicidade Sumup