NOTÍCIAS MAIS VISTAS NO ANO

terça-feira, 29 de maio de 2018

O ministro do Supremo Gilmar Mendes mandou soltar mais dois presos da Operação Lava-Jato no Rio de Janeiro


Magistrado (E) avaliou que as prisões preventivas não atendiam ao Código de Processo Penal. (Foto: Agência Brasil)

A procuradora-geral da República, Raquel Dodge, recorreu contra decisões anteriores do magistrado

Magistrado (E) avaliou que as prisões preventivas não atendiam ao Código de Processo Penal. (Foto: Agência Brasil)
28 de maio de 2018 Brasil, CAD1, Capa – Caderno 1, Notícias, Política
Nessa segunda-feira, o ministro do STF (Supremo Tribunal Federal) Gilmar Mendes mandou soltar mais dois presos na Operação Pão Nosso, desdobramento da Lava-Jato no Rio de Janeiro e que apura fraudes no sistema penitenciário. As prisões haviam sido autorizadas pelo juiz Marcelo Bretas, da 7ª Vara Federal Criminal.

A medida beneficiou o ex-secretário estadual de Administração Penitenciária Cesar Rubens Monteiro de Carvalho e o doleiro Sérgio Roberto Pinto da Silva, apontado como operador financeiros de propinas.

“Entendo que os fundamentos usados pelo magistrado de origem, ao decretar a prisão preventiva em desfavor do ora requerente (Processo 0502450- 54.2018.4.02.5101), também se revelam inidôneos para manter a segregação cautelar ora em apreço, visto que a referida prisão preventiva da mesma forma não atendeu aos requisitos do artigo 312 do CPP [Código de Processo Penal], especialmente no que diz respeito à indicação de elementos concretos, os quais, no momento da decretação, fossem imediatamente incidentes a ponto de ensejar o decreto cautelar”, anotou Mendes.

Medidas cautelares

A exemplo do que determinou em decisões similares adotadas anteriormente, ao determinar a soltura da dupla o magistrado fez a ressalva de que eles deverão cumprir as seguintes medidas cautelares:

– Proibição de manter contato com os demais investigados;

– Impedimento de deixar o País sem autorização da Justiça;

– Entrega do passaporte em um prazo de até 48 horas.

Com a concessão da liberdade aos dois implicados na Lava-Jato, o número de presos pelo juiz Marcelo Bretas liberados por Gilmar Mendes aumentou. Em menos de duas semanas, 14 deles já estão em casa.

PGR recorrerá

Também nessa segunda-feira, a titular da PGR (Procuradoria-Geral da República), Raquel Dodge, recorreu contra as recentes decisões do ministro Gilmar Mendes que liberaram Milton Lyra – apontado como operador de propinas do MDB – e outros quatro investigados na Operação Rizoma, outra força-tarefe derivada da Lava-Jato e, que apura fraudes em fundos de pensão.

Nos casos em que liberou os suspeitos, o magistrado admitiu que os crimes pelos quais eles são alvos de investigação apresentam gravidade. Mendes fez a ressalva, no entanto, de que se tratam de “suspeitas antigas, que não justificavam prisão preventiva”.

Na avaliação de Raquel Dodge, porém, Lyra pode voltar a cometer crimes se continuar solto. Ela alertou, ainda, que o suposto operador do MDB ainda tem acesso a valores não revelados.

“Em liberdade, Milton poderá realizar ampla movimentação do patrimônio ilícito, especialmente dos recursos que até o momento permanecem ocultos”, sublinhou a procuradora-geral da República.

Por O Sul

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Favor comentar sem palavras ofensivas.

Publicidade Google

Publicidade Portal das Malas

Portal das Malas

Publicidade Shoptime

Publicidade Submarino

Publicidade recargapay

Publicidade Timecenter

Publicidade Euro

Publicidade Trocafone

Publicidade Motorola

Publicidade Plantei

Publicidade Veloe

Publicidade Shoptime

Lançamentos de Cama, Mesa e Banho com até 50% de Cashback, receba até R$70 reais de volta
Lançamentos de Cama, Mesa e Banho com até 50% de Cashback, receba até R$70 reais de volta

Publicidade JetRadar

Jetradar

Publicidade PagSeguro

PagSeguro BR

Publicidade Sumup