Publicidade Aliexpress

Publicidade Dietas

Publicidade Google

sábado, 26 de maio de 2018

Mesmo com acordo, Brasil amanhece pelo 5º dia sob paralisação dos caminhoneiros

Greve dos caminhoneiros leva a protesto contra elevação no preço do diesel na rodovia BR-040, em Duque de Caxias
Greve dos caminhoneiros leva a protesto contra elevação no preço do diesel na rodovia BR-040, em Duque de Caxias
Fernando Frazão/Agência Brasil


Apesar do governo ter cedido e a categoria ter afirmado que a greve seria suspensa por 15 dias, nenhuma desmobilização foi registrada e caos continua

Embora o governo federal e os líderes de associações de caminhoneiros tenham chegado, na noite dessa quinta-feira (25), a um acordo para suspender temporariamente os protestos e os bloqueios nas estradas , a greve dos caminhoneiros não tem previsão de, efetivamente, acabar. Isso porque muitos membros da categoria afirmam que não se sentem representados por tais líderes que negociaram com o governo Temer. 



Com isso, a greve dos caminhoneiros chega ao seu quinto dia, nesta sexta-feira (25). Portanto, além das manifestações, que continuam acontecendo em diversos pontos do País, as consequências da paralisação da categoria, com o comprometimento do abastecimento de diversos setores da economia brasileira, seguem gerando caos em todo o Brasil.


Pela manhã, a Polícia Rodoviária Federal (PRF) informou à imprensa que não havia registrado, até perto das 8h, nenhuma desmobilização. O fim da greve também pareceu distante para quem teve que acordar cedo e trafegar pelas vias comprometidas em todo o País.

Na Régis Bitencourt, em São Paulo, carretas e caminhões permanecem estacionados ao longo da rodovia. O mesmo ocorre em rodovias no Paraná, em Santa Catarina e no Rio Grande do Sul, estado que apresenta 74 pontos de manifestação. No Distrito Federal, a PRF registra manifestação de caminhoneiros na BR-020, BR-060, BR-070 e BR-080. 
Leia também: Carrefour limita venda de produtos a cinco unidades para evitar desabastecimento

Em Brasília, durante toda a madrugada e no começo desta manhã, motoristas faziam filas para abastecer seus carros nos postos que mantêm estoques de gasolina e diesel. A mesma cena foi vista em postos de todo o Brasil.

Acordo não garante fim da greve dos caminhoneiros, mas é um passo
Na noite de ontem, o governo e os que se dizem representantes dos caminhoneiros decidiram que a paralisação seria suspensa por 15 dias. Em troca, a Petrobras tem o compromisso de manter a redução de 10% no valor do diesel nas refinarias por 30 dias, enquanto o governo costura outras formas de reduzir os preços do combustível.

Na última quarta-feira (23), o presidente da Petrobras, Pedro Parente, tinha mantido o compromisso de custear os primeiros 15 dias de desconto. Mas ontem o governo federal se comprometeu a custear mais 15, com o dinheiro da União. Com isso, são estimados, no total, R$ 350 milhões de desconto no combustível.

Além disso, o governo prometeu uma previsibilidade mensal nos preços do diesel até o fim do ano, sem mexer na política de reajustes da Petrobras, e disse ainda que vai subsidiar a diferença do preço em relação aos valores estipulados pela estatal a cada mês.

“Nos momentos em que o preço do diesel na refinaria cair e ficar abaixo do fixado, a Petrobras passa a ter um crédito que vai reduzindo o custo do Tesouro”, disse o ministro da Fazenda, Eduardo Guardia.

Por fim, o governo Temer também se comprometeu a zerar a Contribuição de Intervenção no Domínio Econômico (Cide) para o diesel até o fim do ano. Também negociará com os estados, buscando o fim da cobrança de pedágio para caminhões que trafegam vazios, com eixo suspenso.

“Chegou a hora de olhar para as pessoas que estão sem alimentos ou medicamentos. O Brasil é um país rodoviário. A família brasileira depende do transporte rodoviário. Celebramos esse acordo, correspondendo a essas solicitações, dizendo humildemente aos caminhoneiros: precisamos de vocês”, disse o ministro da Casa Civil, Eliseu Padilha.


A decisão de suspender a paralisação, porém, não é unânime. Das 11 entidades do setor de transporte, em sua maioria caminhoneiros, que participaram do encontro, uma delas, a Associação Brasileira dos Caminhoneiros (Abcam), que representa 700 mil trabalhadores, recusou a proposta.

Leia também: Postos vendem gasolina por até R$ 2,10 em protesto contra impostos altos 
O presidente da associação, José Fonseca Lopes, deixou a reunião no meio da tarde e disse que seguirá com a greve dos caminhoneiros . “Todo mundo acatou a posição que pediram, mas eu não. [...] vim resolver o problema do PIS, da Cofins e da Cide, que está embutido no preço do combustível”, afirmou Lopes. 


* Com informações da Agência Brasil.

Fonte: Último Segundo - iG

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Favor comentar sem palavras ofensivas.

Publicidade Americanas

Publicidade Portal das Malas

Portal das Malas

Publicidade Shoptime

Publicidade Submarino

Publicidade recargapay

Publicidade Timecenter

Publicidade Euro

Publicidade Trocafone

Publicidade Motorola

Publicidade Plantei

Publicidade Veloe

Publicidade JetRadar

Jetradar

Publicidade Sumup

Publicidade Avast