NOTÍCIAS MAIS VISTAS NO ANO

quarta-feira, 19 de fevereiro de 2020

Quem é Cid Gomes, senador baleado em protesto da PM

O senador Cid Gomes (PDT-CE)
© DIDA SAMPAIO / ESTADÃO O senador Cid Gomes (PDT-CE)

O senador Cid Gomesbaleado nesta quarta-feira, 19, após tentar invadir um quartel da Polícia Militar do Ceará ocupado por PMs grevistas, em Sobral, é natural daquela cidade e membro de uma família de políticos da região com expressão nacional. Tanto Cid quanto seu irmão mais velho, Ciro Gomes (PDT), foram governadores do Estado e serviram como ministros a governos do PT. Seu irmão Ivo é o atual prefeito de Sobral.
Ao longo dos 32 anos de vida pública, Cid já se envolveu em uma série de polêmicas, em geral associadas a ataque verbais feitos contra a adversários, diante de um temperamento forte. Ele foi prefeito de Sobral entre 1997 e 2000. Entre 2006 e 2014, foi governador do Ceará, eleito e reeleito. Em 2018, venceu eleições para cargo de senador.
Em 2013, enquanto governador cearense, diante de uma crise de falta d’água na cidade de Itapipoca, Cid foi gravado mergulhando em uma adutora de água, após demonstrar irritação com um vazamento que não era consertado. Apesar do mergulho, ele nada pode fazer para resolver o defeito, que fazia a cidade ser um dos quase 200 municípios que, naquele ano, estava em Estado de emergência pela seca. Mas o vídeo circulou pelo País.
Dois anos depois, já como ministro da Educação do governo Dilma, ele se envolveu em uma de suas principais crises ao confrontar o então presidente da Câmara, Eduardo Cunha.
O embate havia começado em fevereiro daquele ano, quando Cid disse, em um evento fechado em Belém, que a Câmara possuía “de 300 a 400 achacadores”. Por isso, foi convocado à Câmara para prestar esclarecimentos. No plenário, atacou Cunha, que antes teria chamado Cid de “mal-educado”. O então ministro afirmou que preferia “ser acusado por ele de mal-educado do que ser como ele, acusado de achaque”. A sessão se transformou em intenso bate-boca, que terminou com Gomes saindo do plenário. Na sequência, o MDB pressionou Dilma a demitir Cid. A presidente, que já estava com más relações com o Congresso, no movimento que culminou com seu impeachment, cedeu.
Já nas eleições de 2018, Cid bateu boca com um militante do PT. O senador fazia campanha para o irmão Ciro e, no segundo turno, quanto Jair Bolsonaro disputava o pleito contra Fernando Haddad (PT), foi a um evento em apoio a este último. Lá, o público passou a gritar “Lula”, em referência ao ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva. Cid, na hora, respondeu para um deles: “O Lula tá preso, ô babaca”. O ex-presidente ainda não havia sido libertado. A frase viralizou nas redes sociais.
Já no ano passado, Cid voltou a tratar um parlamentar por “achacador”. Desta vez foi o líder do PP na Câmara, deputado Arthur Lira (AL). Ele comparou o deputado a Eduardo Cunha e, em entrevista ao Estado, disse que “esses caras a gente tem que matar logo no começo”. Lira rebateu e disse que o senador quer apenas “ganhar luz” ao fazer as acusações.
Estadão

Publicidade Google

Publicidade Portal das Malas

Portal das Malas

Publicidade Shoptime

Publicidade Submarino

Publicidade recargapay

Publicidade Timecenter

Publicidade Euro

Publicidade Trocafone

Publicidade Motorola

Publicidade Plantei

Publicidade Veloe

Publicidade Shoptime

Lançamentos de Cama, Mesa e Banho com até 50% de Cashback, receba até R$70 reais de volta
Lançamentos de Cama, Mesa e Banho com até 50% de Cashback, receba até R$70 reais de volta

Publicidade JetRadar

Jetradar

Publicidade PagSeguro

PagSeguro BR

Publicidade Sumup