NOTÍCIAS MAIS VISTAS NO ANO

quinta-feira, 7 de dezembro de 2017

Mulheres que denunciaram assédio são 'personalidade do ano' da 'Time'

Reprodução/ Revista Time

Movimento social que tem o objetivo de aumentar a conscientização sobre o assédio sexual e estupro ganhou a internet.

O movimento das mulheres que denunciaram o assédio sexual, conhecido como #MeToo, foi escolhido "personalidade do ano 2017" pela revista norte-americana "Time". O anúncio foi feito nesta quarta-feira (6).

"The Silence Breakers" reúne um vasto grupo de pessoas, em sua maioria mulheres, que denunciou as agressões sexuais cometidas pelo megaprodutor hollywoodiano Harvey Weinstein. Outras pessoas seguiram o exemplo compartilhando histórias de abuso com a hashtag #MeToo. O objetivo do grupo é aumentar a conscientização sobre o assédio sexual e estupro.

"Esta é a mudança social mais rápida que vimos em décadas, e começou com atos individuais de coragem por centenas de mulheres - e também alguns homens - que se apresentaram para contar suas próprias histórias", afirmou o editor-chefe da revista, Edward Felsenthal, "Today show", do canal NBC.

O presidente americano, Donald Trump, que foi eleito a personalidade de 2016 pela publicação, ficou em segundo lugar neste ano. O presidente chinês, Xi Jinping, ficou em terceiro. Em 2015, a chanceler alemã, Angela Merkel, havia sido homenageada pela revista.

A “Time”, que faz uma capa especial com a escolha todos os anos desde 1927, deu destaque para as equipes de saúde envolvidas no controle do surto de ebola na África, em 2014.

Frequentemente a publicação concede a honraria a uma entidade que não tem uma organização centralizada. Em 2011, o eleito foi o “manifestante” - em referência a diversos movimentos com pautas variadas, como os participantes da Primavera Árabe e os Indignados (Espanha) e Occupy (EUA).

Os lutadores húngaros da invasão soviética a Budapeste, o soldado americano e a classe média dos EUA já haviam sido eleitos pela revista nos anos 1950 e 60.

Os outros candidatos para a capa da revista eram o príncipe herdeiro saudita Mohammed bin Salman; o chefe da investigação dos laços da campanha de Trump com a Rússia, Robert Mueller; o jogador de futebol americano Colin Kaepernick, famosos por protestos contra o racismo; Kim Jon-un, ditador da Coreia do Norte; Patty Jenkins, diretora do filme "Mulher-Maravilha"; os "Sonhadores", crianças imigrantes que chegaram aos EUA com os pais e não têm documentos americanos; e Jeff Bezos, da Amazon.

Por G1

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Favor comentar sem palavras ofensivas.

Publicidade Google

Publicidade Portal das Malas

Portal das Malas

Publicidade Shoptime

Publicidade Submarino

Publicidade recargapay

Publicidade Timecenter

Publicidade Euro

Publicidade Trocafone

Publicidade Motorola

Publicidade Plantei

Publicidade Veloe

Publicidade Shoptime

Lançamentos de Cama, Mesa e Banho com até 50% de Cashback, receba até R$70 reais de volta
Lançamentos de Cama, Mesa e Banho com até 50% de Cashback, receba até R$70 reais de volta

Publicidade JetRadar

Jetradar

Publicidade PagSeguro

PagSeguro BR

Publicidade Sumup