NOTÍCIAS MAIS VISTAS NO ANO

quarta-feira, 11 de outubro de 2017

Preço do botijão de gás aumenta 12,9% no Pará

Resultado de imagem para botijão de gas
Foto divulgação
PARÁ - Este é o sétimo reajuste que a Petrobras autoriza desde março.

A Petrobras autorizou ontem (10) o reajuste de 12,9 % no preço do botijão de gás de 13 kg na refinaria. Este aumento entra em vigor no Pará e em todo o Brasil, a partir de hoje. Segundo a Petrobras, se este aumento for repassado integralmente para o consumidor final, o reajuste no preço final do botijão de 13 kg do gás de cozinha deverá ser em média de 5,1 % ou cerca de R$ 3,09 por botijão. Segundo o Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos (Dieese/PA), esta será a sétima alteração no preço do gás de cozinha autorizada pela Petrobras. Em março, ocorreu o primeiro aumento de 9,80% no preço do produto; em junho, foi autorizada a terceira alteração, com uma redução de 4,5%; a quarta alteração ocorreu em agosto, com uma elevação de 6,9%; a quinta ocorreu no mês passado, com uma elevação de 12,20 %. Já a sexta ocorreu também mês passado, com uma elevação de 6,90%. 

Estudo do Dieese, com base em dados da Agência Nacional do Petróleo (ANP), mostra que em Belém, no final da semana passada, antes, o preço médio do botijão de gás era de R$ 61,48 com os preços oscilando entre R$ 55,00 a R$ 70,00.

Ainda segundo o estudo do Dieese, entre os municípios paraenses, Redenção é o que vende o botijão de gás mais caro, custando em média R$ 82,40, com o menor preço a R$ 80,00 e o maior a R$ 83,00; seguido de Xinguara, com o preço médio de R$ 80,83, com o menor preço a R$ 80,00 e o maior a R$ 85,00; de Paragominas, com o preço médio de R$ 78,67 e menor preço de R$ 76,00  e o maior a R$ 80,00; de Parauapebas com o preço médio de R$ 78,33, com o menor preço a R$ 75,00 e o maior a R$ 80,00; Conceição do Araguaia com o preço médio de R$ 79,14, com o menor preço a R$ 70,00 e o maior a R$ 85,00; e de Altamira com o preço médio de R$ 78,00 com o menor preço a R$ 70,00 e o maior a R$ 95,00.

Até a semana passada, quem ganhava um salário mínimo na capital e gastava em média cerca de R$ 61,48 no consumo mês de um botijão tinha um impacto de 6,34% por mês. Se este reajuste de 12,09% for repassado integralmente ao consumidor final paraense a tendência é de um impacto bem maior no orçamento de todos.

O Sindicato Nacional das Empresas Distribuidoras de Gás Liquefeito de Petróleo (Sindigás) calcula que o reajuste oscilará entre 7,8% e 15,4%, de acordo com o polo de suprimento. De acordo com a entidade, a correção aplicada não repassa integralmente a variação de preços do mercado internacional. Diante disso, o Sindigás estima o preço do produto para botijões até 13 quilos “ficará 6,08% abaixo da paridade de importação, o que inibe investimentos privados em infraestrutura no setor de abastecimento”.

Também hoje, entram em vigor novos reajustes para diesel e gasolina. Para o diesel, o Grupo Executivo de Mercado e Preços estabeleceu queda de 0,2%, que se soma à redução de 1,3%, em vigência ontem. Para a gasolina, foi estabelecida retração de 2,6%, após aumento de 1,5% que já está valendo desde ontem.

Por O Liberal

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Favor comentar sem palavras ofensivas.

Publicidade Google

Publicidade Portal das Malas

Portal das Malas

Publicidade Shoptime

Publicidade Submarino

Publicidade recargapay

Publicidade Timecenter

Publicidade Euro

Publicidade Trocafone

Publicidade Motorola

Publicidade Plantei

Publicidade Veloe

Publicidade Shoptime

Lançamentos de Cama, Mesa e Banho com até 50% de Cashback, receba até R$70 reais de volta
Lançamentos de Cama, Mesa e Banho com até 50% de Cashback, receba até R$70 reais de volta

Publicidade JetRadar

Jetradar

Publicidade PagSeguro

PagSeguro BR

Publicidade Sumup