NOTÍCIAS MAIS VISTAS NO ANO

quarta-feira, 24 de junho de 2020

Países reabrem suas portas para os turistas, mas brasileiros ficam de fora

© Pixabay
Enquanto completamos mais de um milhão de casos de Covid-19 no Brasil, mais de 50 mil mortes e mais de 100 dias de uma quarentena falha (com a bagunça das trocas de ministro da Saúde e o “pode não pode” maluco da Presidência), circulou um vídeo nas redes sociais captado por um turista nas ruas de Paris. Nele, pessoas caminhavam tranquilamente em meio a mesas lotadas nos restaurantes e bares das calçadas.

Logo pensamos: “Mas será que é verdade?”. Sim, é. O cenário do Turismo está lentamente mudando e voltando no mundo.

Essas informações são da Organização Mundial do Turismo (OMT), que divulgou esta semana que 22% dos países (cerca de 48 destinos) começaram a afrouxar as restrições e abrir as portas para o turismo, respeitando as novas leis de segurança e saúde.

Destes destinos, 37 são na Europa, 6 nas Américas, 3 na Ásia e Pacífico e 2 na África.

Mas não comece a pesquisar preço de passagens achando que as suas férias de julho estão salvas, porque não estão.

Mesmo com as propagandas que você tem recebido de promoções de passagens aéreas e a notícia de que o Aeroporto de Guarulhos em São Paulo já instalou câmeras térmicas para identificar passageiros com temperatura elevadas, o brasileiro não está liberado para visitar esses destinos abertos.

Aliás, desconfio que seremos os últimos da fila. Segundo a IATA (Associação Internacional de Transporte Aéreo, na sigla em inglês), que disponibiliza em seu website um mapa interativo com as restrições de entrada de cada país, o Brasil parece estar na lista dos ‘perigosos’.

Mesmo que a ONU e a IATA tragam informações e atualizações quase que diárias em relação aos países abertos ou ainda com restrições, o que tudo indica (devido aos nossos números elevados de casos da Covid) é que não seremos liberados tão rapidamente assim.

E os dados econômicos são tristes. Os registros são de uma queda de 97% de viagens em relação ao ano passado, e um prejuízo no setor de US$ 195 bilhões nas receitas geradas pelo turismo internacional. Isso faz os destinos queimarem os neurônios para reverter logo a situação e considerarem turistas (até os brasileiros) pelo mundo.

Porém é obvio que o rombo seria maior se uma segunda onda dessa pandemia aparecesse. O que deixa claro que, se tivéssemos liderança por parte do governo com devida orientação e suporte para todos brasileiros logo no início da pandemia, possivelmente nosso país já poderia estar trabalhando para sair dessa e, principalmente, não teríamos chegado à triste realidade de tantas mortes.

Enfim, esperança é o que nos resta e seguimos respeitando a quarentena.

Por: IstoÉ

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Favor comentar sem palavras ofensivas.

Publicidade Google

Publicidade Portal das Malas

Portal das Malas

Publicidade Shoptime

Publicidade Submarino

Publicidade recargapay

Publicidade Timecenter

Publicidade Euro

Publicidade Trocafone

Publicidade Motorola

Publicidade Plantei

Publicidade Veloe

Publicidade Shoptime

Lançamentos de Cama, Mesa e Banho com até 50% de Cashback, receba até R$70 reais de volta
Lançamentos de Cama, Mesa e Banho com até 50% de Cashback, receba até R$70 reais de volta

Publicidade JetRadar

Jetradar

Publicidade PagSeguro

PagSeguro BR

Publicidade Sumup