Publicidade Portal das Malas

Portal das Malas

terça-feira, 2 de junho de 2020

Moçambique: Famílias protestam contra falta de “subsídio de mobilidade” em Maputo

Famílias protestam contra falta de “subsídio de mobilidade” em Maputo
O país. Por Amândio Borges

Mais de duzentas famílias vítimas do deslizamento da lixeira de Hulene, abrangidas pelo subsídio de mobilidade, amotinaram-se esta terça-feira nas proximidades do município de Maputo exigindo o pagamento dos dez mil meticais destinado ao arrendamento de casas, que não está a ser canalizado há dois meses.


Foi há 19 de Fevereiro de 2018 que o destino de 256 famílias mudou de rumo. Nessa data pela madrugada a lixeira de Hulene desabou matando 16 pessoas e para se criar um perímetro de segurança naquela área muitas famílias tiveram que ser reassentadas. Sem casas para habitar a solução encontrada pelo governo foi alocar o chamado subsídio de mobilidade no valor de dez mil meticais mês por cada família para que pagasse renda enquanto não se encontra uma solução definitiva. E a solução encontrada foi a construção de casas no Bairro “Possulane” no distrito de Marracuene, província de Maputo, mas as obras pararam devido a um aparente diferendo que opõe o governo Distrital e a família detentora do Direito de Uso e Aproveitamento da Terra da parcela onde estão a ser construídas as moradias.

Volvidos dois anos, o dinheiro não tem sido canalizado regularmente. E os benefícios dizem que a situação está a causar problemas com os proprietários das casas onde arrendaram. António Massingue um dos beneficiários que falou à reportagem do “O País” disse que “viemos cá porque há dois meses que não estamos a receber o valor para o pagamento da renda das casas onde estamos a viver. Até cá não há nenhuma resposta plausível para saber quando é que vamos receber o valor”.

 Argentina Germano é outra mãe de família que sentava no passeio da Avenida Ho Chi Min à espera de alguma resposta da edilidade de Maputo liderado por Eneas Comiche. Argentina diz ser difícil viver nos últimos tempos por falta desses pagamentos. “ Não sabemos para onde e que nos vamos porque estamos a sofrer porque os donos das casas precisam do valor e nos não temos valor para pagar. Então eu não sei quando é que isto vai terminar”.

O município de Maputo através da vereadora do pelouro de saúde e acção social, Alice Abreu  faz saber que há um acordo entre estas famílias e o governo através do ministério da terra e ambiente visando a canalização trimestral de 30 mil meticais a cada família e foi pago a última vez em Abril. “Temos plena consciência de que de facto há atrasos com relação a este pagamento porque as famílias de facto precisam deste valor para o pagamento do arrendamento nas residências onde essas familiais estão a residir. Gostaríamos de apelar à calma e dizer que quer o conselho municipal assim como o Ministério da Terra e Ambiente estão ciente disso e tudo está a ser feito para que num breve espaço de tempo possamos fazer o pagamento do subsidio de mobilidade tendo em conta os compromissos assumidos” explicou a vereadora municipal.

Refira-se que o governo transfere anualmente para o município de Maputo 32 milhões de meticais para o subsídio de mobilidade.



Nenhum comentário:

Postar um comentário

Favor comentar sem palavras ofensivas.

Publicidade Google

Publicidade Portal das Malas

Portal das Malas

Publicidade Estrela 10

Publicidade Shoptime

Publicidade Submarino

Publicidade recargapay

Publicidade Timecenter

Publicidade Americanas.com

Publicidade Euro

Publicidade Trocafone

Publicidade Motorola

Publicidade Plantei

Publicidade Veloe

NOTÍCIAS MAIS VISTAS NO ANO