Publicidade Aliexpress

Publicidade Google

quarta-feira, 28 de fevereiro de 2018

Eleição intercalar em Nampula: MDM apoia partido do qual seu presidente foi expulso e que considera sem democracia interna rígida

Resultado de imagem para eleição em nampula
Internet
O Movimento Democrático de Moçambique (MDM), presidido por Daviz Simango, vai apoiar o candidato da Renamo, Paulo Vahanle, na segunda volta da eleição autárquica intercalar no município de Nampula, a realizar-se no dia 14 de Março prestes a iniciar. A decisão foi tornada pública na terça-feira (27), na chamada capital do norte, pelo delegado político provincial daquele partido, Vasco Napaua.

Na primeira volta, o candidato do MDM, Carlos Saide Chaure, teve apenas 10,10% de votos, dos dos 296.500 eleitores inscritos, enquanto Paulo Vahanle obteve 40,32%.

A partir da capital do maior circulo eleitoral do país, o MDM disse que a “Comissão Política Provincial analisou a situação política e a linha ideológica dos partidos [Frelimo e Renamo]” que vão disputar a segunda volta, tendo concordado que irá suportar a candidatura do partido do qual Daviz Simango é dissidente.

Segundo Vasco Napaua, a direcção do MDM e a comissão acima indicada determinaram “apoiar a candidatura de Paulo Vahanle” e vai orientar os seus membros e simpatizantes a procederem de tal forma.

Vahanle vai disputar a presidência do município de Nampula [em substituição de Mahamudo Amurane, morto a 04 de Outubro de 2017, na sua casa], por apenas sensivelmente sete meses, com Amisse Cololo, que na primeira volta amealhou 44,51% de votos.

Daviz Simango, presidente do Município da Beira, e dissidente da Renamo, sempre considerou este partido com ideias disfuncionais e contrárias às do MDM, que ele próprio fundou e dirige. Contudo, não é de estranhar o suporte que ele dá à formação política da qual foi expulsa, porque, em me parte, considera que Mahamudo Amurane foi vítima dos chamados esquadrões da morte, supostamente sob o comando da Frelimo.

Em 2009, pouco tempo depois de ter sido escorraçado da Renamo, Daviz Simango, concedeu uma entrevista ao SANAVA [20/03/2009], na qual alegava que a falta de qualidade da democracia em Moçambique sentia-se, também, dentro da própria Renamo.

No seu entender, este partido enfrentava uma “falta cultura de diálogo” prosseguia “à deriva”.

Na ocasião, o político não só afirmou que a diferença entre o MDM e a Renamo era a cultura de “uma democracia interna muito rígida”, como ainda disse o seguinte: “enquanto estive lá dentro tentámos [da Perdiz] introduzir dinâmica no partido, valorizar a oportunidade que tínhamos, com políticos e governantes, de elevar o bom-nome da Renamo, infelizmente não fomos compreendidos. Talvez porque as pessoas não entenderam que a política é uma dinâmica”.

Por: A Verdade

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Favor comentar sem palavras ofensivas.

Publicidade Americanas

Publicidade Portal das Malas

Portal das Malas

Publicidade Shoptime

Publicidade Submarino

Publicidade recargapay

Publicidade Timecenter

Publicidade Euro

Publicidade Trocafone

Publicidade Motorola

Publicidade Plantei

Publicidade Veloe

Publicidade JetRadar

Jetradar

Publicidade Sumup

Publicidade Avast