NOTÍCIAS MAIS VISTAS NO ANO

terça-feira, 30 de janeiro de 2018

À reboque do Governo a PGR quer rever legislação do sector empresarial do Estado e procedimentos para emissão da Dívida Pública



Foto de Adérito Caldeira
Foto A Verdade
Depois do Governo ter decidido rever a legislação atinente ao sector empresarial do Estado e os procedimentos relativos à emissão e gestão da dívida Pública enfim a Procuradoria-Geral da República (PGR), revelando a sua submissão ao poder político, julga que é necessário reflectir sobre esses dispositivos legais.

No âmbito da instrução dos autos sobre as dívidas ilegais da Proindicus, EMATUM e MAM a instituição dirigida por Beatriz Buchili tornou público nesta segunda-feira(29) ter constatado “alguns aspectos que merecem reflexão por parte dos Poderes Executivo e Legislativo, com vista a melhoria, fortalecimento e aprimoramento da diversa legislação atinente ao sector empresarial do Estado e dos procedimentos no domínio da emissão de garantias e avales do Governo na contratação de dívidas por empresas constituídas sob a forma privada, entre outros aspectos”.

Em comunicado de imprensa a PGR indica haver remetido na sexta-feira(26) um documento ao Governo “alertando sobre as obscuridades, deficiências e contradições de textos legais atinentes ao sector empresarial do Estado e de Probidade Pública”.

Porém esta iniciativa da instituição que é suposto ser “guardiã da legalidade” só acontece depois do Executivo de Filipe Nyusi ter declarado a sua vontade de rever a mesma legislação.

Aliás o Conselho de Ministros até já aprovou, no passado dia 5 de Dezembro, um decreto estabelecendo novos procedimentos para à emissão e gestão da dívida pública e das garantias dadas pelo Estado.

Também no ano passado o Governo elaborou e submeteu a Assembleia da República nova legislação para o sector empresarial do Estado.

Relativamente ao esclarecimento de como foram gastos os mais de 2 biliões de dólares dos empréstimos assim como aos ilícitos criminais a Procuradoria-Geral da República declara que continua “a recolher elementos de prova à nível nacional e internacional” e justifica a sua lentidão com “certa morosidade na satisfação dos pedidos” de assistência mútua legal que formulou a países estrangeiros.

Enquanto isso o povo moçambicanos vai agonizando com a crise criada por gestores públicos e das empresas Proindicus, EMATUM e MAM e que continuam a viver “à grande” na capital moçambicana.

Por A Verdade

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Favor comentar sem palavras ofensivas.

Publicidade Google

Publicidade Portal das Malas

Portal das Malas

Publicidade Shoptime

Publicidade Submarino

Publicidade recargapay

Publicidade Timecenter

Publicidade Americanas.com

Publicidade Euro

Publicidade Trocafone

Publicidade Motorola

Publicidade Plantei

Publicidade Veloe

Publicidade Shoptime

Lançamentos de Cama, Mesa e Banho com até 50% de Cashback, receba até R$70 reais de volta
Lançamentos de Cama, Mesa e Banho com até 50% de Cashback, receba até R$70 reais de volta

Publicidade JetRadar

Jetradar

Publicidade PagSeguro

PagSeguro BR

Publicidade Sumup